13 3877-7855 / 11 5054-0401 / Whatsapp: 013 99755 3993

Não é de hoje que falamos aqui sobre a chamada Disfunção ou Desordem Temporomandibular (DTM), problema ligado à articulação temporomandibular (ATM), e que é capaz de interferir muito na qualidade de vida de quem sobre com ele — mas, que, felizmente, possui uma série de tratamentos. Dentre eles, está o uso de placas de mordidas, por exemplo.

Vamos saber mais sobre o assunto?  

Placas de mordidas para tratar a DTM: O que é e como funciona

Também chamadas de placas oclusais, as placas de mordida tratam-se de aparelhos móveis, interoclusais, feitos de acrílico ou silicone, e efetivos para tratar as DTMs musculares ou articulares. 

Estão entre as finalidades das placas:

  • A proteção dos dentes: ao bloquear o contato entre eles, por exemplo, as estruturas da Articulação Temporomandibilar (como os discos e os ligamentos) posicionam-se de maneira mais saudável e, também, ficam livres de contatos compressivos; 
  • O alívio da ATM e o relaxamento dos músculos na região; e
  • O auxílio no descanso e reposicionamento da mandíbula.

Desta forma, é possível aliviar os incômodos causados pela Disfunção Temporomandibular, como dores de cabeça, no pescoço e nas regiões próximas à ATM; e  prevenir a evolução do problema. 

A maioria das placas de mordidas são feitas para serem utilizadas apenas à noite, durante o sono. Um dos objetivos dessa prática é evitar, por exemplo, que o paciente pressione os dentes enquanto dorme — situação conhecida como bruxismo, e uma das condições que levam o paciente a um quadro de DTM ou ao agravamento do distúrbio.   

Em alguns casos, no entanto, pode ser indicado o uso da placa por tempo integral, ou seja, durante as  24h do dia.

Vale salientar, entretanto, que, as placas de mordida são recomendadas e confeccionadas de acordo com as necessidade de cada paciente. O diagnóstico é feito com o auxílio de exames de imagem, dentre outros procedimentos. 

Tipos de placas para o tratamento da DTM

O tipo de placa oclusal pode variar conforme o diagnóstico de cada paciente. Os dois tipos mais comuns são:

  • As placas lisas, também conhecidas como estabilizadoras ou miorrelaxantes; e
  • As placas protrusivas, também chamadas de reposicionadoras. 

Em geral, o primeiro tipo — as placas lisas — é recomendado para quem sofre com DTMs musculares (ainda que essas também possam ser usadas para tratar algumas DTMs articulares). Já a segunda categoria de placas — as placas protusivas — é destinada a tratar, principalmente, as DTMs articulares. Ela é indicada para tratar os maus posicionamentos e os deslocamentos, por exemplo. 

Podem ser recomendadas, ainda, tanto o uso de placas mais macias e flexíveis, quanto o uso de placas mais rígidas. 

Placas de mordida precisam de manutenção? 

Muitas vezes, a oclusão do paciente se modifica, por conta do relaxamento da musculatura ou, mesmo, em decorrência do desgaste da placa — nesses casos, é preciso fazer ajustes no aparelho. Ainda, quando o tratamento se prolonga por mais tempo que o previsto, as placas de mordida podem ficar amareladas ou com deposição de tártaro — nessas situações, elas devem ser substituídas. 

Vale pontuar que para melhores resultados no tratamento das Disfunções Temporomandibulares, as placas oclusais devem ser associadas a demais modalidades de tratamento, como as mudanças comportamentais do paciente, por exemplo, dentre outras alternativas terapêuticas (somente em casos extremos, é que são indicadas as cirurgia para substituir a ATM).

Em busca de um especialista

Se você sofre com Disfunções Temporomandibulares ou gostaria de fazer uma consulta a respeito do problema, a Oral Face Care pode ajudá-lo.

Presente nas cidades de Santos (SP) e São Paulo (SP), a clínica conta com consultórios equipados com o que há de mais moderno no mercado, bem como com especialistas qualificados e capacitados para prestar o melhor atendimentos e as melhores soluções para a DTM. 

Entre os especialistas da Oral Face, estão:

  • O Coordenador da Oral Face Care, em Santos e São Paulo, Prof. Dr. Fued Samir Salmen (CRO 38423) — especialista em Cirurgia Ortognática e Cirurgia Maxilo Facial; Mestre em Cirurgia Maxilo Facial; e Doutorando em Cirurgia Maxilo Facial pela Faculdade de Odontologia de Araraquara (Unesp);  além de coordenador do serviço de Cirurgia e Traumatologia Facial do Hospital Casa de Saúde Santos e Coordenador do Departamento de Cirurgia Maxilo Facial (CETAO-SP); e
  • A Odontóloga Dra. Regina Márcia Dau Salmen (CRO36475) — especialista em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial (PUCC); Cirurgia Ortognática (Universidade de Havana); Prótese Dentária; Disfunção Temporomandibular e Dor Oro Facial.

Para mais informações sobre a Oral Face Care, acesse facecare.com.br!