13 3877-7855 / 11 5054-0401 / Whatsapp: 013 99755 3993
Gengivite: O que é e como prevenir?

Gengivite: O que é e como prevenir?

A gengivite é o primeiro estágio das doenças periodontais e é caracterizada por uma inflamação nas gengivas que, ao contrário do que muita gente imagina, nem sempre provoca dor.

A inflamação causa uma mudança na coloração das gengivas, que ficam mais avermelhadas e podem sangrar espontaneamente, durante a escovação ou quando em contato com alimentos mais duros.

Embora seja um problema de simples solução, quando não tratada adequadamente, a gengivite pode acabar evoluindo para uma periodontite e causar complicações mais graves, que incluem a perda dos dentes. Entenda melhor e saiba como prevenir-se!

Afinal, o que causa a gengivite?

Na maior parte dos casos, a gengivite é causada por uma higiene bucal deficiente ou mal orientada. Quando isso acontece, o espaço entre os dentes acumula resíduos de comida, que se juntam às bactérias para formar um material chamado de placa bacteriana, que também é um dos principais causadores da cárie.

Quando esse material não é removido durante a escovação ou em limpezas realizadas no consultório do dentista, ele se transforma em um resíduo duro agarrado aos dentes, chamado de tártaro. As toxinas produzidas por esses materiais é que deixam as gengivas inflamadas e sensíveis.

No entanto, não é só a falta de higienização adequada que provoca a gengivite. Outros fatores também podem acabar contribuindo para o problema, tais como:

  • tabagismo;
  • diabetes;
  • utilização de alguns medicamentos;
  • infecções virais e fúngicas;
  • mudanças hormonais;
  • uso de aparelhos ortodônticos mal posicionados;
  • imunidade baixa;
  • deficiências nutricionais;
  • uso excessivo de algumas substâncias.

Quais são os principais sintomas da gengivite?

Além da mudança de coloração e do sangramento na região, a gengivite  também pode provocar inchaço nas gengivas, presença constante de mau hálito e retração gengival, que dá a sensação de que os dentes são mais longos do que o normal.

O que é possível fazer para prevenir o problema?

A melhor maneira de prevenir a gengivite é mesmo fazer uma boa higiene bucal. O ideal é escovar os dentes no mínimo três vezes ao dia, pela manhã, após o almoço e o jantar.

Utilize sempre uma escova com cercas macias, e não se esqueça de higienizar também a língua e o céu da boca. O uso do fio dental também é indispensável, já que ele ajuda a retirar resíduos de alimentos que ficam presos entre os dentes, onde a escova não alcança.

Além disso, não abra mão de fazer visitas periódicas ao dentista, no mínimo a cada 6 meses, para a realização de uma limpeza completa, que remova a placa bacteriana e o tártaro acumulados que a escovação feita em casa já não é capaz de remover.

Em alguns casos, quando o paciente tem tendência ao acúmulo de placa bacteriana e tártaro, o dentista pode recomendar a limpeza profissional em períodos menores, geralmente a cada 3 meses. Por isso, siga as recomendações do profissional que cuida dos seus dentes.

Quais são as principais complicações provocadas pela gengivite?

Quando não tratada adequadamente, a gengivite pode evoluir para uma periodontite, infecção grave na gengiva que causa comprometimento no osso e nas fibras que sustentam os dentes e que pode deixá-los móveis, afetar a mordida ou mesmo ocasionar a sua queda.

Além disso, a periodontite também está ligada a uma elevação nos riscos de doenças cardiovasculares, como infarto e AVC, problemas pulmonares e até mesmo nascimentos prematuros.

Gengivite tem cura?

Sim. A inflamação das gengivas é um problema reversível. Em geral, é recomendada uma limpeza profissional, que remove a placa bacteriana e o tártaro acumulados.

Adicionalmente, o dentista pode recomendar também o uso de cremes dentais e enxaguantes bucais específicos para quem possui o problema, que possuem agentes que atuam na eliminação das bactérias. Em casos mais graves, o profissional pode prescrever ainda anti-inflamatórios ou antibióticos.

No entanto, é fundamental que o paciente continue a manter excelentes hábitos de higiene bucal em casa após o fim do tratamento para que a gengivite não retorne com o passar do tempo.

Como você pode ver, a gengivite é um problema simples, mas que pode trazer consequências sérias se não for tratado adequadamente. Por isso, não abra mão de fazer uma escovação criteriosa dos seus dentes e de visitar o dentista regularmente!

Ainda tem alguma dúvida sobre a gengivite? Então entre em contato com a Oral Face Care, fale com nossos especialistas ou marque a sua consulta agora mesmo! 

Como escovar os dentes com aparelho ortodôntico corretamente?

Como escovar os dentes com aparelho ortodôntico corretamente?

Os aparelhos ortodônticos são um ótimo recurso para quem quer corrigir a posição dos dentes, e melhorar a aparência do sorriso. No entanto, só quem usa (ou já usou) um sabe que limpá-lo após as refeições nem sempre é uma tarefa fácil.

Sem dedicar-se à escovação, porém, você pode prejudicar, e muito, a sua saúde bucal. O acúmulo dos restos alimentares nos aparelhos dentais são capazes de deixar seus dentes manchados, cariados, bem como causar mau hálito, desenvolver gengivites, dentre outras doenças periodontais.

Justamente para evitar consequências como essas, o assunto do nosso post de hoje é sobre como escovar os dentes com aparelho. Vamos lá? 

Como escovar os dentes com aparelho ortodôntico

Escolhendo as ferramentas

Escovar os dentes com aparelho ortodôntico é uma tarefa que exige a utilização das ferramentas certas — o tipo adequado de escova de dentes, por exemplo, pode facilitar a sua vida.

Nesse sentido, existe no mercado a chamada escova ortodôntica. Ela foiespecialmente desenvolvida para quem usa aparelho, pois possui cerdas em corte “V”, que são capazes de promover uma limpeza melhor entre os dentes e ao redor dos braquetes.

Vale salientar, contudo, a fundamentalidade de cuidar o tempo de troca desse tipo de escova dental. Assim como acontece com as escovas normais, recomenda-se que, de modo geral, as ortodônticas também sejam trocadas a cada três meses — por questões de higiene e desgaste das cerdas. 

Já, se você optar pela utilização de uma escova tradicional, atente-se para a necessidade de escolher uma com cerdas macias, para não prejudicar as gengivas e, também, para conseguir chegar mais fácil a todos os lugares necessários. Ainda, nesse caso, é preciso escovar os dentes uma vez com as cerdas da escova inclinadas para cima e outra com elas inclinadas para baixo — isso deve ser feito para arcada dentária superior e para a arcada dentária inferior, com o objetivo de limpar os dois lados do aparelho ortodôntico.

Não esqueça, claro, de escovar todas as regiões dos dentes e da boca, independentemente do tipo de escova utilizado. 

A escova de dentes elétrica também é uma boa opção para escovar os dentes com aparelho ortodôntico, visto que elas podem tornar o processo mas rápido e prático — no entanto, ele também só será eficiente se for feito com dedicação.  

Demais cuidados na hora de escovar os dentes com aparelhos ortodôntico

Na hora das escovação:

  • Sempre que possível, retire os elásticos, bem como qualquer outra parte que seja removível do aparelho;
  • Faça movimentos horizontais com a sua escova de dentes; e
  • Faça a limpeza individual para cada um dos dentes.

Ainda, para melhores resultados na higiene bucal de quem usa aparelho ortodôntico, sugere-se iniciar a escovação usando apenas uma escova úmida, mas sem creme dental — a pasta de dente possui componentes importantes para a saúde dos dentes, entretanto, a espuma que se forma pode dificultar a visão a respeito do que se está fazendo. Em um segundo momento (depois de ter utilizado a escova umedecida com água, ao menos para remover os restos alimentares mais visíveis), deve-se, então, adicionar o creme dental para aproveitar os benefícios do flúor, por exemplo. 

Lembre-se, também, de checar todos dentes na frente do espelho após finalizar a escovação — para se certificar de que todos eles tenham ficado limpos. 

Não esqueça o fio dental

Sim, o fio dental é importante para todos! Ele é capaz de chegar onde as cerdas da escova de dentes não alcança. No entanto, essa pode ser um tarefa demorada para quem usa aparelho ortodôntico. 

Mas, existe luz no fim do túnel, e ela se chama passa fio. A ferramenta é semelhante a uma agulha, e facilita a passagem do fio dental por baixo do fio ortodôntico. Feito isto, o fio dental pode ser passado entre os dentes e retirado, higienizando um espaço de cada vez.

“O uso do passa fio é obrigatório”? Não! Este é um acessório que serve para auxiliar e facilitar o processo. Contudo, o paciente pode optar por não utilizá-lo.  

Última dica, aqui: lembre-se de optar por fios dentais encerados, visto que estes deslizam melhor entre os dentes.  

Quanto ao enxaguante bucal

O enxaguante bucal é mais uma das ferramentas que ajudam na higiene bucal. Ele também é importante, todavia, executa papel coadjuvante no processo de limpeza da boca (diferente da escova de dentes, do creme e do fio dental).

Os enxaguantes são ótimos produtos para complementar a higienização bucal, pois contribuem para a redução das bactérias da região, e para manter os dentes e gengivas saudáveis — porém, são opcionais. Para fazer uso deles, contudo, é importante que, primeiro, seja feita uma consulta a um especialista, para saber se há indicação para a utilização do antisséptico no seu caso em particular.

Gostou de saber um pouco mais sobre como escovar os dentes com aparelho ortodôntico? Então, não deixe de acompanhar o blog da Oral Face Care e mantenha-se sempre bem informado sobre todos os assuntos envolvendo dentes, arcada dentária, mandíbula, esqueleto da face e muito mais!   

Você está escovando os dentes corretamente?

Você está escovando os dentes corretamente?

Você já deve saber que uma das formas de evitar cáries, mau hálito e outros problemas bucais, é escovar os dentes sempre após cada refeição, certo? E se é isso mesmo que você faz, parabéns! 

Entretanto, vale salientar que todos os benefícios da escovação só serão alcançados se esta estiver sendo realizada corretamente! 

Você está escovando os seus dentes da maneira certa? Ficou na dúvida? Então, vamos lá, entender sobre o assunto! 

Por que dar atenção à escovação bucal?

Escovar os dentes regularmente — e da maneira correta — é uma das principais formas de eliminar a chamada placa bacteriana. Ela se forma naturalmente na boca, e se trata do acúmulo de bactérias na superfície dos dentes. Bem por isso, se a placa bacteriana não for eliminada diariamente, ela gera problemas como:

  • Cáries;
  • Tártaro;
  • Inflamação das gengivas — que, em uma primeira fase, é conhecida por gengivite, situação em que as gengivas ficam vermelhas e sangram; e, em uma segunda fase, por periodontite ou piorreia, afetando o osso e as fibras de suporte.

Além disso, o acúmulo de placa bacteriana é uma das condições que contribuem para o mau hálito.

Evitando problemas: Para começar, escova e pasta de dente!

Para começo de conversa, a escolha dos utensílios companheiros no processo de escovação é fundamental!

Quanto à escova de dente

O recomendado pela maioria dos dentistas são as escovas de cerdas macias. Elas são capazes de remover a placa bacteriana e os resíduos alimentares sem machucar a gengiva, ou desgastar os dentes. Ainda, prefira as com cabeças menores e arredondadas — elas conseguem alcançar melhor todas partes da boca.

Não esqueça, porém, que o ideal é que se troque a escova de dentes a cada três meses ou, então, quando se nota que ela está ficando desgastada. Aconselha-se, também,  a troca da escova após uma gripe ou resfriado, por exemplo — isso porque os germes podem aderir às cerdas e aumentar o risco de novas infecções.

Quanto à pasta de dente

Aqui, a regra geral é que os cremes dentais possuam flúor. A substância é eficiente no combate às doenças bucais, contribuindo, desta forma, para manter os dentes fortes e resistentes.

Entretanto, existe no mercado uma grande variedade de pastas de dente — dentre elas, aquelas voltados a combater problemas específicos (além da cárie, da gengivite e do tártaro), como é o caso de manchas e sensibilidade.

Para orientações mais específicas nesse aspecto, o ideal é conversar com o seu dentista. Mediante uma avaliação, ele indicará o melhor creme dental para a sua situação. 

Na escovação…

No que se refere diretamente ao processo de escovar os dentes, tenha em mente que, para uma escovação eficiente, é necessário abranger quatro regiões da boca: a superior direita; a superior esquerda; a inferior direita; e a inferior esquerda.

E não tenha pressa — em geral, uma boa escovação dura em torno de dois minutos, mas fique à vontade para estendê-la, se achar necessário. 

Para iniciar a higienização, escolha um dos extremos da boca e, com a escova, faça movimentos circulares (que vão da gengiva à ponta dos dentes). Percorra, desta forma, até o outro extremo. O ideal são cerca de dez movimentos a cada dois dentes. Faça isso nas superfícies internas e externas dos dentes, e certifique-se de abranger bem as quatro regiões bucais. 

Em seguida, escove as superfícies de mastigação dos dentes com movimentos curtos de vaivém.

Durante todo o processo de escovação, é fundamental dar bastante atenção à margem gengival, aos dentes posteriores, que são os mais difíceis de alcançar, bem como às regiões ao redor de restaurações e coroas.

Ainda, não esqueça de escovar a língua — com movimentos para trás e para frente, desde a base até à ponta. Isso irá ajudar na eliminação das bactérias no setor e, por consequência, refrescará o hálito.     

Outros passos para uma boa higienização bucal

O uso do fio dental e do enxaguante bucal, bem como os cuidados com a alimentação e as visitas regulares ao dentista são outros pontos importantes na hora de cuidar da saúde da cavidade oral. Para saber mais sobre cada um deles, acesse: “Como manter uma boa rotina de higiene bucal?“.

Ainda, para ficar por dentro de assuntos como esse, acompanhe o blog da Oral Face Care, e mantenha-se sempre bem informado sobre assuntos envolvendo dentes, arcada dentária, mandíbula, esqueleto da face e muito mais!   

Como manter uma boa rotina de higiene bucal?

Como manter uma boa rotina de higiene bucal?

Muitas vezes, a chave para evitar problemas mais sérios está em cultivar hábitos simples, não é mesmo? Pois bem, conte-nos… como anda a sua higiene bucal?

O que uma coisa tem a ver com a outra? Vamos explicar! 

Você já deve saber que não higienizar a área da boca corretamente pode resultar em cáries, tártaro, mau hálito e, até, a perda de dentes — condições que nem sempre possuem soluções fáceis, rápidas ou, mesmo, baratas. 

No entanto, não para por ai…

Uma higiene bucal deficiente pode resultar em complicações ainda maiores, que vão desde doenças periodontais — como a gengivite, por exemplo — até prejudicar a saúde de quem sofre com problemas como doenças cardíacas, diabetes, gastrite e artrite. Além, ainda, de aumentar o risco de complicações no sistema respiratório.

O que acontece é que focos de infecções na boca podem levar as bactérias para o resto do organismo.  E isso, obviamente, não é nada bom.

A melhor parte, no entanto, é que, em muitos casos, complicações como essas podem ser evitadas se o paciente se dedicar a manter uma boa rotina de higiene bucal! Vamos, então,  aprender a fazer isso?

Como manter uma boa rotina de higiene bucal

Dentre os hábitos preventivos — para evitar desde as consequências mais leves, até as complicações mais sérias — estão: 

►A escovação diária dos dentes

É básico para a saúde bucal: escovar diariamente os dentes, sempre após cada refeição, com creme dental que contenha flúor. É necessário passar a escova de dente em todas as partes — desde as faces dos dentes, até as zonas de mastigação.

Não esqueça de escovar também a língua para remover as bactérias da região e evitar o mau hálito. Lembre-se, ainda, de trocar a sua escova de dente pelo menos a cada três meses.  

►O uso do fio dental

O uso do fio dental também deve ser feito diariamente. Com cuidado, é preciso passar o fio entre os dentes, deslizando-o para cima e para baixo, seguindo todas as curvas. Deve-se limpar bem a região próxima à linha da gengiva, no entanto, é necessário tomar cuidado para não fazer força exagerada contra ela.

Ainda, para cada dente a ser limpo, deve-se utilizar uma parte nova do pedaço de fio dental que se tem em mãos.

Estão disponíveis no mercado dois tipo principais de fio dental: o de nylon (ou multifilamento); e o fio PTFE (monofilamento). Ambos, quando usados corretamente, são capazes de remover a placa bacteriana (causadora das cáries e da gengivite) e os resíduos de alimentos que ficam entre os dentes. O primeiro, contudo, como é composto por muitas fibras de nylon, pode, por vezes, rasgar ou desfiar — principalmente quando se trata de dentes muito juntos.

►O uso de enxaguante bucal 

Os enxaguantes bucais não são de uso obrigatório na higiene da cavidade oral, entretanto, funcionam como bons complementos de limpeza da região. Eles contribuem para a redução das bactérias na boca e para manter os dentes e gengivas saudáveis. 

Mas, atenção: para utilizar o produto, é importante que, primeiro, seja feita uma consulta a um especialista, para saber se há indicação para o uso do antisséptico no seu caso em particular.

As recomendações de uso do enxaguante em questão serão passadas pelo profissional consultado — questões como frequência, volume e tempo de uso, por exemplo, podem variar conforme o produto e a necessidade individual de cada paciente.

►Os cuidados com a alimentação

Engana-se quem pensa, ainda, que a alimentação nada tem a ver com a saúde bucal. O ideal, tanto para evitar problemas relacionados à cavidade oral quanto à saúde em geral, é ingerir alimentos balanceados, e evitar comer entre as refeições principais — especialmente, doces.

Alimentos ricos em fibras, por exemplo, possuem a capacidade de promover a autolimpeza dos dentes. É uma das formas de contribuir para a não formação da placa bacteriana. Já os ricos em cálcio ajudam a deixar os dentes fortes — a vitamina D, por sua vez, contribui para a absorção do cálcio.

Outro ponto crucial, aqui, é o consumo de água, que ajuda na eliminação dos detritos, açúcares e ácidos.   

►As visitas semestrais ao dentista 

Em outro de nossos posts — “De quanto em quanto tempo devo visitar meu dentista?” — explicamos que “em geral, a recomendação dos especialistas e das organizações de saúde é que a visita ao consultório do médico dentista seja feita a cada seis meses — para que se verifique a saúde bucal, e para que sejam realizados os procedimentos básicos necessárias, como é o caso das limpezas. Esse tempo, porém, pode variar de acordo com o caso de cada paciente”. 

E, então, você anda com a rotina de higiene bucal em dia? Caso você ainda tenha ficado com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato com a Oral Face Care, mande sua mensagem ou marque uma consulta. Estamos à disposição para cuidar do seu sorriso e dessa parte da sua saúde!   

De quanto em quanto tempo devo fazer limpeza nos meus dentes?

De quanto em quanto tempo devo fazer limpeza nos meus dentes?

Você sabia que ainda que não esteja sentindo nenhuma dor ou incômodo nos dentes é fundamental visitar o dentista no mínimo a cada seis meses? Isso porque é preciso fazer uma avaliação da sua saúde bucal e realizar uma limpeza nos dentes completa para garantir que eles continuem forte e saudáveis.

A limpeza ou profilaxia bucal é um procedimento simples, realizado em uma única visita ao dentista, que tem como objetivo principal remover a placa bacteriana e o tártaro e manter seus dentes livres de doenças como gengivites e periodontites.

É também nessa consulta que o profissional vai avaliar se há cáries ou algum outro problema de saúde bucal que, mesmo sem causar qualquer desconforto, necessita de tratamento.

Entenda como é feita a limpeza profissional nos dentes

Diferente da higienização dos dentes feita diariamente em casa, a limpeza profissional utiliza aparelhos e técnicas de uso exclusivo dos dentistas, como aparelhos de ultrassom, jatos de bicarbonato e escovas de polimento. O procedimento é realizado em cinco etapas:

  • destartarização ou tartarectomia:  na primeira fase da profilaxia, o dentista remove o tártaro e a placa bacteriana com um aparelho que faz uma espécie de raspagem dos dentes. A medida é fundamental para evitar ou combater doenças como a gengivite e a periodontite, que podem causar mau hálito, sensibilidade e sangramentos na gengiva;
  • jateamento: nessa etapa, o dentista aplica um jato de bicarbonato de sódio, que além de remover a placa bacteriana e o tártaro também ajuda a polir os dentes;
  • escovação: após o jateamento, o dentista utiliza uma escova rotatória com motor de baixa rotação acompanhada de pasta dental profilática de uso profissional para fazer uma limpeza completa na dentição;
  • flúor: fase final da limpeza dos dentes, a aplicação do flúor tem a função de repor minerais, fortalecer a dentição e manter o frescor da boca. O ideal é que o paciente espere ao menos duas horas antes de escovar novamente os dentes para garantir a ação completa do produto.

Saiba quando e porque fazer a limpeza nos dentes

Embora habitualmente seja recomendado que a limpeza nos dentes seja realizada a cada seis meses, é fundamental atender as recomendações do profissional relativas ao seu caso.

Isso porque algumas pessoas têm uma tendência maior a acumular tártaro nos dentes, o que pode exigir um intervalo menor de higienização profissional para a remoção desses resíduos.

Nesses casos, é bastante comum que o dentista recomende a limpeza profissional a cada três meses, bem como acontece com pacientes que estão se submetendo a outros tratamentos dentários ou utilizam aparelhos ortodônticos.

Além de remover a placa bacteriana e o tártaro, a limpeza nos dentes também é uma oportunidade ímpar para que o paciente possa compreender os pontos em que a higienização não está sendo realizada corretamente e ouvir do dentista dicas de como usar tanto a escova como o fio dental de maneira mais adequada.

Essas medidas evitam desconfortos como mau hálito, sensibilidade e sangramento nas gengivas, sintomas típicos da gengivite que, quando não tratados, podem evoluir para quadros mais graves, que incluem até mesmo o amolecimento e perda dos dentes.

Também é importante ressaltar que a limpeza ajuda a remover manchas superficiais e deixa os dentes mais brilhantes. Além disso, como a superfície está polida, o acúmulo da placa bacteriana e, consequentemente, a formação do tártaro, se torna mais difícil.

Descubra porque é importante não adiar a visita ao dentista

Ainda que você não note o acúmulo de tártaro ou não sinta qualquer desconforto, é essencial não adiar a vista para além do tempo recomendado pelo profissional.

Isso porque além do tártaro frequentemente não ser visível, essas visitas são uma oportunidade para que você tire dúvidas com o dentista sobre sua saúde bucal e para que o profissional identifique qualquer possível problema na sua dentição em estágio inicial, o que pode evitar tratamentos mais longos ou complexos.

Por isso, mantenha em sua agenda o compromisso de voltar para ao consultório para fazer a limpeza nos dentes a cada 6 meses ou na periodicidade recomendada pelo seu dentista!

Gostou de entender a importância da limpeza profissional nos dentes? Se você está em busca de um sorriso ainda mais branco e simétrico, saiba tudo sobre as lentes de contato dental!

Caso você queira marcar a sua limpeza nos dentes, não deixe para depois! Entre em contato com a Oral Face Care agora mesmo!