13 3877-7855 / 11 5054-0401 / Whatsapp: 013 99755 3993
Dores na mandíbula, de cabeça e ouvido, ronco ou apneia do sono?

Dores na mandíbula, de cabeça e ouvido, ronco ou apneia do sono?

Dores na mandíbula, de cabeça e ouvido, ronco ou apneia do sono são sintomas cada vez mais comuns entre os pacientes e podem afetar o bem estar e atividades cotidianas. Para quem sofre com esses problemas, tendem a sentir dores para realizar atividades básicas como comer, dormir, falar e até mesmo respirar corretamente.

Para a maioria dos casos, a cirurgia ortognática pode ser a solução. Esse procedimento, basicamente, significa colocar os maxilares na sua melhor relação, para promover uma melhor oclusão (mordida) em pacientes que apresentam alterações no desenvolvimento ósseo facial.

O alinhamento dos dentes é corrigido através de tratamentos ortodônticos e essa cirurgia reposiciona a mandíbula desalinhada. O procedimento não apenas melhora o aspecto facial, como também garante que os dentes se encontre corretamente e funcione da maneira correta em atividades básicas do dia a dia.

Para quem sofre com sintomas de dores na mandíbula, essa cirurgia pode ser uma solução na busca do bem-estar e qualidade de vida.

Para saber mais sobre esse assunto e decidir se a cirurgia é a melhor solução para você, oferecemos a leitura do nosso Guia Completo sobre Cirurgia Ortongática.

Com esse material, você vai conhecer como funciona esse procedimento, para quem ele é indicado e os benefícios que pode proporcionar.

dica extra, baixe também nosso e-book : Vergonha de sorrir por excesso de gengiva?

vergonha de sorrir por excesso de gengiva

Toxina Butolinica: como ela é utilizada em pacientes com DTM

Toxina Butolinica: como ela é utilizada em pacientes com DTM

Realizar atividades comuns como mastigar, sorrir, falar e até respirar se torna um transtorno para quem sofre de Disfunção Temporomandibular.  Conhecida como DTM, o termo é utilizado para alterações funcionais, que incluem os músculos da mastigação, a ATM, entre outras estruturas. Ela está entre as que mais contribuem para a queda de qualidade de vida, especialmente das mulheres, que sofrem mais com o estresse.

A DTM pode ser classificada em três tipos principais:

1ª – Muscular

Quando há muita pressão na musculatura do sistema mastigatório;

2ª – Articular

Quando há uma sobrecarga da articulação por causa de traumas ou doenças degenerativas (ex: artrite reumatoide);

3ª – Mista

Quando há ocorrência tanto do distúrbio muscular quanto articular.

As causas dessa disfunção são multifatoriais e, muitas vezes, de difícil diagnóstico. Neste artigo iremos esclarecer seus principais sintomas e como a toxina botulínica tem sido usada com sucesso no tratamento.

DTM transforma atividades comuns em dores e incômodos

Apesar de não haver uma causa única e específica para a DTM, é consenso entre especialistas que alguns hábitos e comportamentos podem colaborar para o surgimento do problema ou agravar a situação, entre eles estão:

  • Apertar os dentes;
  • Apoiar a mão no queixo com frequência;
  • Roer unhas;
  • Mascar chiclete;
  • Traumas;
  • Pré-disposição genética;
  • Estresse.

Quanto aos sinais e sintomas, os portadores da disfunção apresentam sensibilidade muscular e também da ATM ao toque. Estes sinais aparecem em mais de 75% da população adulta portadora da DTM que, além de limitação dos movimentos da mandíbula, sofrem de:

  • Dores musculares;
  • Dores articulares;
  • Dores de cabeça;
  • Estalos na mandíbula e ruídos no ouvido;
  • Dificuldade de realizar os movimentos mandibulares ou até mesmo respirar.

As dores causadas por estes sintomas, entretanto, podem ser combatidas. Esta é a proposta da toxina botulínica, que tem se tornado cada vez mais popular entre os especialistas para tratar  pacientes que sofrem de DTM.

Paralisando a dor com a toxina botulínica

Popularmente conhecida como “botox”, a toxina botulínica é muito utilizada em tratamentos estéticos. Ela interrompe a comunicação entre os músculos e os nervos fazendo com que o músculo deixe de funcionar. De modo geral, ela é aplicada por meio de injeções no rosto para diminuir sinais de envelhecimento. No entanto, sua principal função é como propriedade terapêutica.

No tratamento da DTM, a toxina botulínica vem sendo utilizada por ser uma alternativa pouco invasiva, podendo reduzir significativamente a ocorrência de dores e o bruxismo, satisfazendo a expectativa dos pacientes quanto a sua eficiência.

As aplicações da substância são realizadas em um único atendimento e os efeitos iniciais podem ser notados até 48 horas após as aplicações. Destacando entre eles:

  • Redução das dores provenientes do bruxismo;
  • Redução das dores de cabeça;
  • Relaxamento dos músculos da face mastigação.

Quando aplicada nos músculos mastigatórios, a toxina botulínica impede a contração, que ocasiona o ranger dos dentes, conhecido como bruxismo.

 O que você precisa saber antes de aplicar a toxina

O uso da toxina botulínica na região da face, com finalidade de tratar os sintomas da DTM, está entre os principais avanços da Odontologia. Entretanto, é importante salientar que ela não é indicada indiscriminadamente. Entre as suas principais contraindicações estão:

  • Pacientes que sofrem de doenças neuromusculares;
  • Pacientes que tenham doença autoimune adquirida;
  • Mulheres grávidas e/ou em período de lactação;
  • Pacientes que usam aminoglicosídeos e que possuem reações alérgicas a toxina.

Procedimento deve ser realizado por especialista

É importante salientar que, antes de optar pela toxina botulínica como tratamento para a DTM, é necessário conversar com um especialista na área e realizar uma avaliação detalhada do seu problema com um bom exame clínico que inclui:

  • Pesquisa do histórico de saúde familiar;
  • Exames que incluem eletromiografia dos músculos da face;
  • Exames de imagem como ressonância, tomografia e radiografias.

Somente após isso é possível dizer qual é realmente o seu diagnóstico e as possibilidades de tratamento. A utilização da toxina botulínica é mais uma alternativa terapêutica com redução da dor e praticamente nenhum efeito colateral no tratamento.

Tem alguma dúvida sobre este tratamento? Agende uma consulta com um especialista da Oral Face Care.

Deslocamento da ATM: o que fazer quando eles são frequentes?

Deslocamento da ATM: o que fazer quando eles são frequentes?

Bocejar, comer, gargalhar ou até mesmo gritar são coisas simples da vida. Entretanto, para realizar tudo isso, precisamos da Articulação Temporomandibular (ATM), que é classificada como a articulação mais complexa do organismo humano.  Ela é responsável pelos movimentos de abrir e fechar a boca ligando a mandíbula ao crânio. Quando sofremos de alguma disfunção na ATM, o que era fácil e bom se torna complicado e doloroso.

O deslocamento da ATM ocorre quando a mandíbula desencaixa e cai. O paciente não consegue fechar a boca e a mandíbula pode ficar torcida para um dos lados. É mais provável que essa luxação ocorra em pessoas que já passaram por isso ou que sofram de uma frouxidão da mandíbula (hipermobilidade), que pode resultar de um distúrbio temporomandibular.

Neste artigo abordaremos as principais causas, assim como, o melhor tratamento para o deslocamento de ATM, confira:

O que ocasiona o deslocamento da mandíbula?

As causas que levam até o deslocamento da ATM são variadas e podem ser classificadas como espontâneas ou traumáticas. Normalmente a luxação é resultado de uma abertura excessiva da boca, como um bocejo, por exemplo. No entanto, além da maneira natural, o deslocamento pode ser ocasionado por:

  • Traumas;
  • Acidentes;
  • Lesões;
  • Procedimento odontológico (onde o paciente necessita ficar com a boca aberta por muito tempo).

Independente da motivação, todas essas situações são caracterizadas pela perda total ou parcial da articulação, bem como pela incapacidade do queixo retornar à posição original sem a intervenção médica. Nesse contexto, o deslocamento da ATM é um desafio não só para o dentista, mas também para o paciente, em decorrência da sua imprevisibilidade, pois se origina geralmente de situações cotidianas, como comer e bocejar.

Quais os principais sintomas da ATM?

Alguns estudos apontam que o deslocamento da ATM afeta aproximadamente de 3% a 7% da população adulta em geral, apresentando maior incidência no sexo feminino. Quando há mais de três episódios de luxação num período de seis meses, esta se caracteriza como deslocamento recorrente.

No caso de acontecer tal condição, os principais sintomas identificados são:

  • Dor na mandíbula;
  • Sensibilidade;
  • Dificuldade em engolir e falar;
  • Endurecimento e inchado maxilar;
  • Dormência na face;
  • Incapacidade de fechar a boca.

É identificado, também, o aparecimento de uma dor reflexa. Geralmente ela é desencadeada por espasmos musculares, os quais poderão aumentar o incômodo.

Saiba qual melhor tratamento quando a luxação é recorrente

O tratamento para o deslocamento da mandíbula depende do estado do paciente. Ele poderá variar entre a redução manual, quando o cirurgião aplica algumas manobras para reposicionar a mandíbula na sua correta posição, até intervenções cirúrgicas com anestesia geral.

Caso a luxação seja muito frequente, poderá ser necessária uma intervenção cirúrgica para não permitir que essa ATM trave novamente. De um modo geral, os tratamentos da luxação da ATM podem ser classificados em:

  1. Transitórios

O tratamento transitório consiste na reposição manual da mandíbula por um profissional. O dentista utiliza técnicas firmes de pressão para baixo e para trás, com o intuito de destravar a mandíbula. Pode utilizar relaxantes e sedativos para espasmos musculares intensos e anestésicos locais ao redor da mandíbula;

Após a realocação da mandíbula, o paciente deverá seguir dieta pastosa por algumas semanas, para reduzir o movimento e o desgaste da mandíbula. Evitar atividades que envolvam a abertura extrema da boca, como bocejos. Há casos em que poderá ser feita uma imobilização com bandagem.

  1. Definitivos

O tratamento definitivo para ATM, como o próprio nome esclarece, é uma solução permanente para a luxação e divide-se, por sua vez, em:

  • Conservador:

Consiste na utilização de aparelhos limitadores do movimento, relaxantes musculares e injeções de soluções esclerosantes, podendo ser combinados com outros tratamentos (ex: fisioterapia).

  • Cirúrgico

A utilização de uma abordagem cirúrgica geralmente é indicada quando os métodos conservadores não são suficientes. Procedimentos cirúrgicos que se baseiam em aplicação de enxertos e/ou dispositivos metálicos para facilitar o movimento do encaixe da mandíbula.

É importante lembrar que tratamentos como fisioterapia e consulta psicológica podem ser considerados na avaliação do paciente tanto para o tratamento conservador, como para o tratamento cirúrgico.

Você sofre de deslocamento da ATM? Agende uma consulta com os especialistas da Oral Face Care. Lembre-se, sua saúde é prioridade!

Infiltrações intra-articulares com corticosteroides e hialuronato de sódio no tratamento de ATM.

Infiltrações intra-articulares com corticosteroides e hialuronato de sódio no tratamento de ATM.

Existem diversas intervenções aprovadas para o tratamento de distúrbios da articulação temporomandibular (DTM). Dentre elas, é preconizado que intervenções simples e menos invasivas sejam as primeiras escolhas, sempre que possível. Neste sentido, as infiltrações com corticoesteroides e hialuronato de sódio estão sendo cada vez mais utilizadas e aparecem como alternativas de tratamento capazes de reduzir a dor e melhorar a funcionalidade da articulação, sendo menos invasivas quando comparadas, por exemplo, a tratamentos cirúrgicos.

Muitas pessoas, no entanto, apresentam diversas dúvidas e receios quanto a essa linha de tratamento. Pensando nisso, elaboramos esse artigo para que você possa saber tudo sobre o procedimento, suas indicações e resultados.

O que são hialuronato de sódio e corticosteroides? Qual a diferença entre eles?

Hialuronato de sódio

A articulação temporomandibular contém, dentre outros componentes, um material viscoso chamado de líquido sinovial, essencial para a movimentação e deslizamento da articulação, bem como para a redução do atrito na mesma. É sabido que, em diversas alteração inflamatórias ou degenerativas da ATM, há alteração dos componentes deste líquido, o que altera sua funcionalidade nas articulações. Assim, o líquido sinovial deixa de desempenhar seu papel corretamente, podendo causar dor, estalido e até mesmo limitação na amplitude de movimento.

O hialuronato de sódio é um componente importante deste líquido que é responsável pela lubrificação da articulação. Sua injeção, portanto, aumenta a motilidade articular, melhora a circulação do líquido e determina um alívio da dor, diminuição da inflamação e maior funcionalidade.

Corticosteroides

No que concerne aos corticosteroides, você provavelmente já ouviu falar de seu sinônimo “corticoide” e pode até mesmo já ter feito uso dessas medicações em outras situações, sem ligação com sua alteração na ATM. Isso acontece porque os corticosteroides são substâncias com excelente ação anti-inflamatória, podendo ser usados para o controle de diversas doenças. Desde que surgiram, no entanto, são as substâncias mais utilizadas nos tratamentos não invasivos de ATM com infiltração intra-articular. Eles diminuem as substâncias inflamatórias presentes na articulação e, assim, melhoram significativamente a dor e a movimentação articular.

Quando são indicados os procedimentos de infiltração nas articulações?

Não existe hoje uma única indicação precisa para a infiltração de hialuronato de sódio (viscossuplementação). No entanto, é consenso que ele seja usado em casos de distúrbios sintomáticos da ATM, com limitação da amplitude de movimento, tendo em vista o resultado de diversos estudos científicos que demonstram seu benefício de uso nas situações descritas quando o paciente não é capaz de controlar a dor somente com medicamentos orais.

Juntamente com os corticosteroides, sua infiltração é prescrita como uma alternativa aos procedimentos cirúrgicos, sendo uma opção dos tratamentos não invasivos para ATM. As infiltrações são capazes de melhorar os sinais e sintomas da disfunção da ATM de uma maneira mais rápida e efetiva que anti-inflamatórios comuns, na maioria dos casos.

O que devo esperar após a infiltração na ATM?

Este tipo de tratamento prevê injeções semanais durante 3-5 semanas. Após as primeiras aplicações, as infiltrações já são capazes de reduzir a dor, melhorar movimentação mandibular, diminuir crepitações, estalidos e até mesmo os “travamentos”, dependendo do caso.

Os efeitos benéficos das infiltrações intra-articulares já são conhecidos e tem sido cada vez mais explorados. No entanto, como todo medicamento ou tratamento, elas também apresentam contraindicações e efeitos adversos que devem ser avaliados e pesados por um especialista qualificado e preparado para atender corretamente, respeitando a individualidade de cada paciente.

Agende uma consulta com os profissionais da Oral Face Care para uma avaliação adequada do seu caso.

Laserterapia no tratamento de disfunções da ATM

Laserterapia no tratamento de disfunções da ATM

A tecnologia facilita cada vez mais o nosso cotidiano e nas clínicas odontológicas não é diferente. A laserterapia é uma técnica arrojada que tem se destacado pelos benefícios em curto prazo no tratamento de disfunções da ATM (Articulação Temporomandibular). Apesar do nome complicado, a ATM é responsável por todos os movimentos da mandíbula. Quem sofre da disfunção costuma sentir dores musculares e articulares, dores de cabeça, ouve ruídos e tem dificuldade de realizar os movimentos mandibulares.

A causa exata desta disfunção, geralmente, é de dificil identificação. Seus sintomas, contudo, podem ser combatidos. É esta a proposta da laserterapia. Esta técnica é considerada um dos tratamentos de disfunções da ATM mais eficientes, pois é pouco invasivo, possibilita resposta rápida à dor e melhora a funcionalidade da articulação.

Conheça as vantagens da laserterapia e esclareça suas dúvidas para escolher o melhor tratamento de disfunções da ATM :

Desvendando a técnica aplicada na Laserterapia  

A laserterapia de baixa intensidade para tratamento de disfunções da ATM consiste na irradiação de algumas áreas específicas e inter-relacionadas na região do maxilar. Quando interagem com a pele, os fótons adquiridos por essas luzes alcançam e estabilizam as células nervosas do tecido humano, causando o efeito analgésico.

Os lasers de infravermelho são emitidos próximos ao rosto devido à sua maior penetrabilidade. As doses em cada ponto ou local são variáveis. No entanto, quanto mais agudas forem as dores, mais intenso costuma ser o tratamento. A frequência de irradiação pode variar de duas a cinco vezes por semana.

A efetividade clínica da laserterapia irá depender do monitoramento individualizado de cada pessoa. É consenso que entre as vantagens na utilização da laserterapia estão:

  • Alívio de dor instantânea;
  • Redução de processos inflamatórios;
  • Estímulo à reparação tecidual;
  • Prevenção de infecções.

É importante uma boa comunicação com o cirurgião-dentista que, assim, saberá qual a melhor frequência e número de doses. As respostas de cada paciente determinarão o período de manutenção do tratamento. A meta, claro, é a extinção da dor.

Opção para alívio imediato das dores de ATM

Para quem sofre com disfunções de ATM, a laserterapia apresenta uma realidade sem dor e sem uso constante de medicamentos. O tratamento, também, aumenta a mobilidade mandibular, enquanto diminui e estabiliza os incômodos. Este resultado pode ser observado alguns minutos após a aplicação.

A radiação laser de baixa intensidade, quando aplicada no tratamento de disfunções da ATM, além de ter efeitos analgésicos apresenta resultados como:

  • Ação anti-inflamatória;
  • Relaxante muscular;
  • Melhora a microcirculação local;
  • Auxilia na reparação das fibras nervosas traumatizadas.

O laser age relaxando e desinflamando a musculatura sem o uso de analgésicos. Ou seja, uma ação local para alívio da dor sem intoxicar o organismo com medicamentos. O tipo de patologia, as características do tecido alvo, a profundidade e o tempo da lesão bem como a idade e a condição sistêmica do paciente devem ser consideradas, gerando um protocolo de atendimento para cada paciente.

As principais vantagens da laserterapia na odontologia 

Pesquisas comparativas entre a laserterapia e outras intervenções convencionais mostram que a radiação de baixa intensidade tem uma principal vantagem no tratamento de disfunções da ATM: não necessitar de intervenções com medicamentos. Além do mais, a terapia com laser não oferece incômodo ao paciente, não apresenta efeitos colaterais e tem baixo custo.

É sempre importante lembrar que o tratamento de disfunções da ATM precisa ser avaliado e aplicado de maneira individual em cada paciente. Por isso, é importante que você converse com seu dentista e realize os exames necessários para identificar qual a melhor aplicação da laserterapia ao seu caso. De maneira geral, o uso deste método apresenta inúmeras vantagens, como:

  • Redução de custos;
  • Diminui a demanda por cirurgias;
  • Agilidade no atendimento clínico;
  • Tratamento indolor;
  • Resultados duradouros.

Além disso, a laserterapia pode ser usada na maioria das especialidades, como periodontia, endodontia, implantodontia e dentística restauradora. Como todo tratamento clínico, é importante que se identifique a origem das ATMs. Caso seja necessário, aplicação do laser no tratamento de disfunções da ATM pode ser realizada isoladamente ou alinhada aos tratamentos convencionais como a fisioterapia.

Se você sofre do problema, busque ajuda, agende uma consulta com os especialistas da Oral Face Care. Não abra mão da sua saúde e cuide-se o quanto antes!

Descubra qual a idade mínima para realizar a cirurgia ortognática

Descubra qual a idade mínima para realizar a cirurgia ortognática

A cirurgia ortognática é um procedimento indicado para pessoas que apresentam deformidades ósseas faciais que inviabilizam tratamentos ortodônticos convencionais, isto é, para pacientes que se queixam clinicamente de assimetria facial e/ou alteração na oclusão dentária (mordida), que não podem ser resolvidas com o simples uso de aparelhos ortodônticos.

Essas alterações, além de determinarem um componente funcional muito importante, influenciam diretamente na autoestima dos pacientes e, a ansiedade em resolver prontamente o problema, não é uma coisa rara nos consultórios. No entanto, é necessário ter uma idade mínima para realizar a cirurgia ortognática e a idade “corte” é considerada hoje 17 anos.

Preparamos este texto para que você possa se informar em uma fonte confiável e para te ajudar a entender qual o motivo desta restrição.

Por que não é possível realizar a cirurgia ortognática antes dos 17 anos?

A cirurgia envolve cortes ósseos, colocação de placas e outros procedimentos que condicionam um reposicionamento dos ossos, partindo do princípio de que não haverá mais mudanças importantes em seu tamanho, formato ou em outras características físicas do mesmo, o que poderia comprometer o resultado e a efetividade da cirurgia ortognática.

Acontece que, desde que nascemos, nossos ossos passam por uma série de mudanças e, seu crescimento em si, continua até a adolescência. Assim, a cirurgia só pode ser realizada após seu pico de crescimento e maturação óssea, que, aos 17 anos, já está próximo do fim na grande maioria das pessoas.

Como sei que meus ossos já atingiram a maturação adequada?

Sabe-se hoje que o pico de crescimento ocorre após a puberdade, ou após a menarca (primeira menstruação), no caso das meninas. Através desses marcos, então, tem-se um crescimento médio esperado para pessoas que já passaram por eles.

Caso haja alguma dúvida, o cirurgião pode solicitar exames específicos para avaliação e confirmação da idade óssea.

Existe idade máxima para cirurgia ortognática?

Por mais que a cirurgia ortognática seja feita principalmente em adolescentes e em pessoas que estão na idade adulta, não existe idade máxima para sua realização e isso é verdadeiro desde que o paciente apresente uma boa condição geral de saúde. Sua condição deve ser avaliada criteriosamente pelo cirurgião dentista.

Um aspecto importante do procedimento é que ele é realizado sob anestesia geral e é essencial que o estado de saúde do paciente não contraindique este tipo de anestesia.

O contato com um profissional qualificado é indispensável

Primeiramente, participar de uma consulta com um cirurgião especializado é, por si só, um passo obrigatório em direção à cirurgia que mudará sua vida e o modo com que você se enxerga.

Além disso, independente da idade, é necessário que você entre em contato com um bom profissional para que ele possa avaliar seu caso individualmente, bem como a real indicação da cirurgia e a melhor abordagem para a alteração específica que você apresenta.

Na consulta, não tenha receio de tirar suas dúvidas e falar sobre suas inseguranças e expectativas. Abordar esses temas pode ser decisivo em sua convicção de que realizar a cirurgia ortognática trará grandes benefícios para você.

Tentamos esclarecer alguns pontos importantes sobre a idade mínima para realizar a cirurgia ortognática, abordando algumas dúvidas bastante recorrentes no dia a dia em nossos consultórios.

Aguardar pela maturidade óssea antes de realizar a cirurgia é um ponto chave no sucesso da mesma e, a escolha de um bom profissional, realmente preparado, é uma ação determinante nos processos pré, intra e pós operatórios.

Venha conhecer os excelentes profissionais da Oral Face Care e dar o passo que falta em direção à melhora do seu bem estar físico e mental.