13 3877-7855 / 11 5054-0401 / Whatsapp: 013 99755 3993
Deslocamento da ATM: o que fazer quando eles são frequentes?

Deslocamento da ATM: o que fazer quando eles são frequentes?

Bocejar, comer, gargalhar ou até mesmo gritar são coisas simples da vida. Entretanto, para realizar tudo isso, precisamos da Articulação Temporomandibular (ATM), que é classificada como a articulação mais complexa do organismo humano.  Ela é responsável pelos movimentos de abrir e fechar a boca ligando a mandíbula ao crânio. Quando sofremos de alguma disfunção na ATM, o que era fácil e bom se torna complicado e doloroso.

O deslocamento da ATM ocorre quando a mandíbula desencaixa e cai. O paciente não consegue fechar a boca e a mandíbula pode ficar torcida para um dos lados. É mais provável que essa luxação ocorra em pessoas que já passaram por isso ou que sofram de uma frouxidão da mandíbula (hipermobilidade), que pode resultar de um distúrbio temporomandibular.

Neste artigo abordaremos as principais causas, assim como, o melhor tratamento para o deslocamento de ATM, confira:

O que ocasiona o deslocamento da mandíbula?

As causas que levam até o deslocamento da ATM são variadas e podem ser classificadas como espontâneas ou traumáticas. Normalmente a luxação é resultado de uma abertura excessiva da boca, como um bocejo, por exemplo. No entanto, além da maneira natural, o deslocamento pode ser ocasionado por:

  • Traumas;
  • Acidentes;
  • Lesões;
  • Procedimento odontológico (onde o paciente necessita ficar com a boca aberta por muito tempo).

Independente da motivação, todas essas situações são caracterizadas pela perda total ou parcial da articulação, bem como pela incapacidade do queixo retornar à posição original sem a intervenção médica. Nesse contexto, o deslocamento da ATM é um desafio não só para o dentista, mas também para o paciente, em decorrência da sua imprevisibilidade, pois se origina geralmente de situações cotidianas, como comer e bocejar.

Quais os principais sintomas da ATM?

Alguns estudos apontam que o deslocamento da ATM afeta aproximadamente de 3% a 7% da população adulta em geral, apresentando maior incidência no sexo feminino. Quando há mais de três episódios de luxação num período de seis meses, esta se caracteriza como deslocamento recorrente.

No caso de acontecer tal condição, os principais sintomas identificados são:

  • Dor na mandíbula;
  • Sensibilidade;
  • Dificuldade em engolir e falar;
  • Endurecimento e inchado maxilar;
  • Dormência na face;
  • Incapacidade de fechar a boca.

É identificado, também, o aparecimento de uma dor reflexa. Geralmente ela é desencadeada por espasmos musculares, os quais poderão aumentar o incômodo.

Saiba qual melhor tratamento quando a luxação é recorrente

O tratamento para o deslocamento da mandíbula depende do estado do paciente. Ele poderá variar entre a redução manual, quando o cirurgião aplica algumas manobras para reposicionar a mandíbula na sua correta posição, até intervenções cirúrgicas com anestesia geral.

Caso a luxação seja muito frequente, poderá ser necessária uma intervenção cirúrgica para não permitir que essa ATM trave novamente. De um modo geral, os tratamentos da luxação da ATM podem ser classificados em:

  1. Transitórios

O tratamento transitório consiste na reposição manual da mandíbula por um profissional. O dentista utiliza técnicas firmes de pressão para baixo e para trás, com o intuito de destravar a mandíbula. Pode utilizar relaxantes e sedativos para espasmos musculares intensos e anestésicos locais ao redor da mandíbula;

Após a realocação da mandíbula, o paciente deverá seguir dieta pastosa por algumas semanas, para reduzir o movimento e o desgaste da mandíbula. Evitar atividades que envolvam a abertura extrema da boca, como bocejos. Há casos em que poderá ser feita uma imobilização com bandagem.

  1. Definitivos

O tratamento definitivo para ATM, como o próprio nome esclarece, é uma solução permanente para a luxação e divide-se, por sua vez, em:

  • Conservador:

Consiste na utilização de aparelhos limitadores do movimento, relaxantes musculares e injeções de soluções esclerosantes, podendo ser combinados com outros tratamentos (ex: fisioterapia).

  • Cirúrgico

A utilização de uma abordagem cirúrgica geralmente é indicada quando os métodos conservadores não são suficientes. Procedimentos cirúrgicos que se baseiam em aplicação de enxertos e/ou dispositivos metálicos para facilitar o movimento do encaixe da mandíbula.

É importante lembrar que tratamentos como fisioterapia e consulta psicológica podem ser considerados na avaliação do paciente tanto para o tratamento conservador, como para o tratamento cirúrgico.

Você sofre de deslocamento da ATM? Agende uma consulta com os especialistas da Oral Face Care. Lembre-se, sua saúde é prioridade!

Infiltrações intra-articulares com corticosteroides e hialuronato de sódio no tratamento de ATM.

Infiltrações intra-articulares com corticosteroides e hialuronato de sódio no tratamento de ATM.

Existem diversas intervenções aprovadas para o tratamento de distúrbios da articulação temporomandibular (DTM). Dentre elas, é preconizado que intervenções simples e menos invasivas sejam as primeiras escolhas, sempre que possível. Neste sentido, as infiltrações com corticoesteroides e hialuronato de sódio estão sendo cada vez mais utilizadas e aparecem como alternativas de tratamento capazes de reduzir a dor e melhorar a funcionalidade da articulação, sendo menos invasivas quando comparadas, por exemplo, a tratamentos cirúrgicos.

Muitas pessoas, no entanto, apresentam diversas dúvidas e receios quanto a essa linha de tratamento. Pensando nisso, elaboramos esse artigo para que você possa saber tudo sobre o procedimento, suas indicações e resultados.

O que são hialuronato de sódio e corticosteroides? Qual a diferença entre eles?

Hialuronato de sódio

A articulação temporomandibular contém, dentre outros componentes, um material viscoso chamado de líquido sinovial, essencial para a movimentação e deslizamento da articulação, bem como para a redução do atrito na mesma. É sabido que, em diversas alteração inflamatórias ou degenerativas da ATM, há alteração dos componentes deste líquido, o que altera sua funcionalidade nas articulações. Assim, o líquido sinovial deixa de desempenhar seu papel corretamente, podendo causar dor, estalido e até mesmo limitação na amplitude de movimento.

O hialuronato de sódio é um componente importante deste líquido que é responsável pela lubrificação da articulação. Sua injeção, portanto, aumenta a motilidade articular, melhora a circulação do líquido e determina um alívio da dor, diminuição da inflamação e maior funcionalidade.

Corticosteroides

No que concerne aos corticosteroides, você provavelmente já ouviu falar de seu sinônimo “corticoide” e pode até mesmo já ter feito uso dessas medicações em outras situações, sem ligação com sua alteração na ATM. Isso acontece porque os corticosteroides são substâncias com excelente ação anti-inflamatória, podendo ser usados para o controle de diversas doenças. Desde que surgiram, no entanto, são as substâncias mais utilizadas nos tratamentos não invasivos de ATM com infiltração intra-articular. Eles diminuem as substâncias inflamatórias presentes na articulação e, assim, melhoram significativamente a dor e a movimentação articular.

Quando são indicados os procedimentos de infiltração nas articulações?

Não existe hoje uma única indicação precisa para a infiltração de hialuronato de sódio (viscossuplementação). No entanto, é consenso que ele seja usado em casos de distúrbios sintomáticos da ATM, com limitação da amplitude de movimento, tendo em vista o resultado de diversos estudos científicos que demonstram seu benefício de uso nas situações descritas quando o paciente não é capaz de controlar a dor somente com medicamentos orais.

Juntamente com os corticosteroides, sua infiltração é prescrita como uma alternativa aos procedimentos cirúrgicos, sendo uma opção dos tratamentos não invasivos para ATM. As infiltrações são capazes de melhorar os sinais e sintomas da disfunção da ATM de uma maneira mais rápida e efetiva que anti-inflamatórios comuns, na maioria dos casos.

O que devo esperar após a infiltração na ATM?

Este tipo de tratamento prevê injeções semanais durante 3-5 semanas. Após as primeiras aplicações, as infiltrações já são capazes de reduzir a dor, melhorar movimentação mandibular, diminuir crepitações, estalidos e até mesmo os “travamentos”, dependendo do caso.

Os efeitos benéficos das infiltrações intra-articulares já são conhecidos e tem sido cada vez mais explorados. No entanto, como todo medicamento ou tratamento, elas também apresentam contraindicações e efeitos adversos que devem ser avaliados e pesados por um especialista qualificado e preparado para atender corretamente, respeitando a individualidade de cada paciente.

Agende uma consulta com os profissionais da Oral Face Care para uma avaliação adequada do seu caso.

Laserterapia no tratamento de disfunções da ATM

Laserterapia no tratamento de disfunções da ATM

A tecnologia facilita cada vez mais o nosso cotidiano e nas clínicas odontológicas não é diferente. A laserterapia é uma técnica arrojada que tem se destacado pelos benefícios em curto prazo no tratamento de disfunções da ATM (Articulação Temporomandibular). Apesar do nome complicado, a ATM é responsável por todos os movimentos da mandíbula. Quem sofre da disfunção costuma sentir dores musculares e articulares, dores de cabeça, ouve ruídos e tem dificuldade de realizar os movimentos mandibulares.

A causa exata desta disfunção, geralmente, é de dificil identificação. Seus sintomas, contudo, podem ser combatidos. É esta a proposta da laserterapia. Esta técnica é considerada um dos tratamentos de disfunções da ATM mais eficientes, pois é pouco invasivo, possibilita resposta rápida à dor e melhora a funcionalidade da articulação.

Conheça as vantagens da laserterapia e esclareça suas dúvidas para escolher o melhor tratamento de disfunções da ATM :

Desvendando a técnica aplicada na Laserterapia  

A laserterapia de baixa intensidade para tratamento de disfunções da ATM consiste na irradiação de algumas áreas específicas e inter-relacionadas na região do maxilar. Quando interagem com a pele, os fótons adquiridos por essas luzes alcançam e estabilizam as células nervosas do tecido humano, causando o efeito analgésico.

Os lasers de infravermelho são emitidos próximos ao rosto devido à sua maior penetrabilidade. As doses em cada ponto ou local são variáveis. No entanto, quanto mais agudas forem as dores, mais intenso costuma ser o tratamento. A frequência de irradiação pode variar de duas a cinco vezes por semana.

A efetividade clínica da laserterapia irá depender do monitoramento individualizado de cada pessoa. É consenso que entre as vantagens na utilização da laserterapia estão:

  • Alívio de dor instantânea;
  • Redução de processos inflamatórios;
  • Estímulo à reparação tecidual;
  • Prevenção de infecções.

É importante uma boa comunicação com o cirurgião-dentista que, assim, saberá qual a melhor frequência e número de doses. As respostas de cada paciente determinarão o período de manutenção do tratamento. A meta, claro, é a extinção da dor.

Opção para alívio imediato das dores de ATM

Para quem sofre com disfunções de ATM, a laserterapia apresenta uma realidade sem dor e sem uso constante de medicamentos. O tratamento, também, aumenta a mobilidade mandibular, enquanto diminui e estabiliza os incômodos. Este resultado pode ser observado alguns minutos após a aplicação.

A radiação laser de baixa intensidade, quando aplicada no tratamento de disfunções da ATM, além de ter efeitos analgésicos apresenta resultados como:

  • Ação anti-inflamatória;
  • Relaxante muscular;
  • Melhora a microcirculação local;
  • Auxilia na reparação das fibras nervosas traumatizadas.

O laser age relaxando e desinflamando a musculatura sem o uso de analgésicos. Ou seja, uma ação local para alívio da dor sem intoxicar o organismo com medicamentos. O tipo de patologia, as características do tecido alvo, a profundidade e o tempo da lesão bem como a idade e a condição sistêmica do paciente devem ser consideradas, gerando um protocolo de atendimento para cada paciente.

As principais vantagens da laserterapia na odontologia 

Pesquisas comparativas entre a laserterapia e outras intervenções convencionais mostram que a radiação de baixa intensidade tem uma principal vantagem no tratamento de disfunções da ATM: não necessitar de intervenções com medicamentos. Além do mais, a terapia com laser não oferece incômodo ao paciente, não apresenta efeitos colaterais e tem baixo custo.

É sempre importante lembrar que o tratamento de disfunções da ATM precisa ser avaliado e aplicado de maneira individual em cada paciente. Por isso, é importante que você converse com seu dentista e realize os exames necessários para identificar qual a melhor aplicação da laserterapia ao seu caso. De maneira geral, o uso deste método apresenta inúmeras vantagens, como:

  • Redução de custos;
  • Diminui a demanda por cirurgias;
  • Agilidade no atendimento clínico;
  • Tratamento indolor;
  • Resultados duradouros.

Além disso, a laserterapia pode ser usada na maioria das especialidades, como periodontia, endodontia, implantodontia e dentística restauradora. Como todo tratamento clínico, é importante que se identifique a origem das ATMs. Caso seja necessário, aplicação do laser no tratamento de disfunções da ATM pode ser realizada isoladamente ou alinhada aos tratamentos convencionais como a fisioterapia.

Se você sofre do problema, busque ajuda, agende uma consulta com os especialistas da Oral Face Care. Não abra mão da sua saúde e cuide-se o quanto antes!

Doenças Degenerativas da ATM: o que você deve saber

Doenças Degenerativas da ATM: o que você deve saber

Responsável por toda movimentação da mandíbula, a articulação temporomandibular (ATM) permite complexos movimentos mastigatórios e está sujeita à diversas patologias. Os processos degenerativos da ATM são condições multifatoriais e, apesar de existirem diversas causas específicas para esses, a osteoartrite, também conhecida como osteoartrose, é a forma mais comum de doença degenerativa que afeta essa articulação.

A osteoartrite pode acometer diversas partes do corpo, mas, em se tratando de articulação temporomandibular, representa uma das formas menos sintomáticas da doença. Além disso, o quadro clínico pode ser muito semelhante ao de outras disfunções temporomandibulares, o que torna o diagnóstico dos processos degenerativos um desafio para a odontologia.

Preparamos este texto para que você possa entender mais sobre essas degenerações, suas evoluções e prognósticos.

Sinais e sintomas: quando desconfiar que há algo de errado na ATM?

A osteoartrite é caracterizada por uma degradação progressiva da cartilagem articular, gerando alteração no osso subjacente. Por mais que os sintomas possam ser inespecíficos, você pode perceber clinicamente essas alterações em formas de crepitações, que indicam um atrito entre o osso e a cartilagem. Essas crepitações nada mais são que sons ou vibrações que percebemos quando movimentamos a articulação e que ocorrem, principalmente, quando as superfícies estão irregulares.

Outros sintomas que devem te alertar sobre alguma alteração são a própria dor e sensibilidade articular, que podem ocorrer por conta de um processo inflamatório secundário às alterações já descritas. Além disso, os pacientes também costumam descrever mudança na dinâmica mandibular, ou seja, dificuldade para abrir a boca e até mesmo desvios na movimentação.

Em alguns casos, pode ocorrer uma contração da musculatura local como uma maneira de proteger a articulação. Podendo assim surgir o sintoma de sensibilidade muscular à palpação.

É importante frisar que a intensidade dos sintomas causados pelas alterações degenerativas pode variar de indivíduo para indivíduo.

Quais são as alterações degenerativas? Como é possível observá-las?

Como já foi descrito, a osteoartrite se caracteriza por degradação progressiva da cartilagem articular, que reflete e acaba acometendo o osso subjacente. Esse acometimento consiste em erosões, facetamento, formação de osteófito, entre outras alterações que descreveremos abaixo.

Como a própria definição da palavra nos faz imaginar, a erosão óssea diz respeito a um desgaste da superfície do osso, devido principalmente à liberação de substâncias pela cartilagem degradada. Na radiografia, a erosão pode ser vista em fases mais avançadas, como um apagamento do osso daquela região. Quando a destruição do osso acontece de forma achatada, o processo é definido como facetamento, outra alteração possível de ser observada.

Os osteófitos, popularmente conhecidos como bicos de papagaio (quando aparecem na coluna), também podem estar presentes na osteoartrite temporomandibular. Eles consistem em uma formação óssea, caracterizada por uma elevação na superfície articular. Além dos citados, sua ATM poderá conter também os chamados pseudocistos, que são uma coleção de líquido dentro da cartilagem. No início da doença essas alterações não são visíveis radiologicamente.

Uma doença de curso modificável

Até um tempo atrás, a doença era encarada como um processo natural de envelhecimento. Acreditava-se que ela era progressiva e de evolução arrastada, não tendo, portanto, perspectivas de tratamento.

Sabe-se hoje, no entanto, que, por mais que ela acometa principalmente pessoas de idade mais avançada, a osteoartrite pode ocorrer em qualquer idade e, de extrema importância, hoje é vista como uma doença de curso evolutivo modificável, não só no que diz respeito ao tratamento sintomático momentâneo, mas também quanto ao seu prognóstico.

Sem tratamento adequado, a doença pode determinar diminuição da funcionalidade da articulação. Atualmente você irá dispor de uma boa variedade de tratamentos, que vão desde de uso de analgésicos orais para controle da dor, à agentes tópicos e terapia intra-articular, sendo que essa última pode apresentar controle da inflamação nos casos evidentes. Existe ainda o tratamento cirúrgico que, como os outros, tem indicação conforme o grau da osteoartrite.

Acompanhamento com um profissional adequado é essencial para uma boa evolução.

Como você pôde perceber, a osteoartrite pode se manifestar de muitas maneiras em sintomatologia e na radiologia. Ampla, também, é a gama de tratamentos que podem ser utilizados no manejo da doença. Assim, a busca por um profissional apto a fazer o diagnóstico correto e boas escolhas terapêuticas é essencial para o sucesso do tratamento.

Agende uma consulta com os profissionais da Oral Face Care e garanta uma excelente avaliação de sua ATM, bem como os melhores tratamentos individualizados para o seu caso.

Descubra o profissional adequado para tratar ATM

Descubra o profissional adequado para tratar ATM

Uma pesquisa recente revelou que 40 a 75% da população brasileira sofre com dores na mandíbula atualmente. Isso tem feito com que cada vez mais pessoas corram para os consultórios na busca pelo profissional adequado para tratar ATM.

A preocupação é justificada, já que a ausência de tratamento não só diminui a qualidade de vida dos pacientes como também pode trazer consequências maiores e exigir tratamentos mais drásticos.

Se você se encontra nesta situação, nada de pânico: siga na leitura deste artigo e descubra como tratar as dores e encontrar o profissional adequado para tratar ATM.

Entenda o que é a ATM

ATM significa articulação temporomandibular, um mecanismo localizado na região da mandíbula que é responsável pela ligação entre seu maxilar inferior e a base do seu crânio.

Essa articulação gira em várias direções diferentes, permitindo movimentos como abrir a boca corretamente para mastigar, respirar, falar e uma série de outras atividades.

Justamente por conta dessa pluralidade de funções é que ela é mais suscetível às inflamações, o que pode gerar dores, travamentos na mandíbula e outros incômodos que impactam atividades no dia a dia. Esse quadro é chamado DTM – Disfunção Temporomandibular.

Perfil do profissional adequado para tratar ATM

Quando você tem um problema de saúde específico, deve sempre consultar um especialista. Se o problema está relacionado ao seu coração, você quer ver um cardiologista. Se a questão é com a sua pele, você quer ver um dermatologista. Mas e quando o problema é com a sua ATM?

O Conselho Federal de Odontologia (CFO) reconheceu em 2002 a Disfunção Temporomandibular (DTM) e a Dor Orofacial como uma especialidade à parte. Por isso, a principal indicação de um profissional adequado para tratar ATM é o cirurgião-dentista.

Especialmente porque o diagnóstico é muitas vezes bastante complexo e seus sintomas podem se conectar a outros problemas.

Nestes casos, o profissional faz uma bateria de exames físicos para mensurar os níveis da dor sofrida pelo paciente, além de um exame mais detalhado dos músculos da região – especialmente daqueles responsáveis pela mastigação.

É bastante comum que o profissional também solicite exames de imagem – ressonância magnética da mandíbula, raio-x e tomografia computadorizada – para complementar o processo de diagnóstico.

Como escolher o profissional adequado para tratar ATM

Agora que você já sabe qual é o tipo de especialista certo parar tratar qualquer distúrbio em sua ATM, é hora de encontrar o profissional certo. Para isso, vale apostar em:

  • Indicações de outros profissionais da saúde: converse com os demais médicos que já cuidam da sua saúde sobre possíveis indicações de profissional adequado para tratar ATM. Eles já conhecem seu histórico médico e sua personalidade, podendo fornecer dicas valiosas;
  • Indicações de familiares e rede de amigos: alerte amigos e familiares sobre a sua busca e verifique se alguém já teve uma experiência parecida e se tem referências de bons profissionais. Fale com estas pessoas conhecidas, com as quais você pode conversar e pegar referências prévias;
  • Consulta ao site da CRO: o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo tem uma ferramenta que permite consultar se o profissional é de fato um especialista credenciado;
  • Pesquisa sobre a formação e experiência: verifique se o profissional é realmente um especialista, qual é a sua formação e suas certificações. Veja também há quanto tempo ele realiza esse tipo de tratamento.

Mas lembre-se que tudo isso é tão importante quanto uma consulta presencial. Através dela será possível ver se há empatia por parte do profissional, se você se sente à vontade e confiante com as soluções sugeridas por ele, além de tirar todas as suas dúvidas. Durante a consulta você deve ter atenção se o profissional:

  • Escuta suas perguntas e responde em termos que você entende;
  • Dispensa um tratamento respeitoso a você;
  • Pergunta sobre suas preferências de tratamento;
  • Tem paciência com suas dúvidas e dedica tempo suficiente para atendê-lo.

Você também pode perguntar sobre a tecnologia que este especialista em ATM utiliza, o tempo de espera usual para agendar uma consulta de retorno, os procedimentos de cobrança e a disponibilidade para tirar dúvidas através do telefone ou e-mail do médico.

Esperamos que este artigo tenha ajudado a esclarecer suas principais questões sobre a busca pelo profissional certo para tratar de sua ATM e lhe proporcione mais segurança em tomadas de decisões no futuro.

Caso você tenha mais dúvidas sobre como encontrar o profissional adequado para tratar ATM, conheça a Oral Face Care e seu time de especialistas.