13 3877-7855 / 11 5054-0401
[e-book] Cirurgia Ortognática: identifique se você precisa desse procedimento

[e-book] Cirurgia Ortognática: identifique se você precisa desse procedimento

O crescimento inadequado dos ossos da face incomoda muitas pessoas, seja por causa das consequências estéticas ou pelas condições que podem surgir a partir disso, como dificuldade respiratória, problemas de digestão e falha na dicção, por exemplo.

 

Mas esses problemas podem ser corrigidos com a cirurgia ortognática. Você sabe como essa cirurgia funciona?

 

Cirurgia ortognática: procedimento, pós-operatório e benefícios

 

Neste procedimento, o cirurgião reposiciona os ossos da face, como o maxilar e a mandíbula, para que o rosto fique simétrico. A cirurgia dura até 4 horas, e é feita em ambiente hospitalar, com anestesia geral.

 

No pós-operatório, é necessário utilizar aparelho ortodôntico por um tempo que varia de paciente para paciente. Cuidados com a alimentação são essenciais, já que o paciente não poderá ingerir alimentos sólidos por algum tempo.

 

Os benefícios resultantes do procedimento são diversos e vão muito além da aparência do paciente. Por exemplo:

 

  • Melhora da articulação temporomandibular e da mastigação e, consequentemente, melhora da digestão;
  • Melhora da respiração;
  • Melhora da passagem de ar e do posicionamento da língua, o que, como consequência, também melhora a articulação das palavras e a fonação, fazendo com que o paciente se comunique melhor.

Quem deve fazer a cirurgia ortognática?

 

Nem todo tipo de assimetria facial pode ser corrigido com essa cirurgia. Por isso, o passo mais importante é encontrar um bom cirurgião buco-maxilo-facial que analise seu caso. Alguns problemas que normalmente podem ser corrigidos com esse procedimento são:

 

  • Mordida cruzada anterior;
  • Deficiência de mandíbula;
  • Mordida aberta anterior;
  • Assimetria facial;
  • Excesso vertical da maxila.

 

Quer saber mais sobre cada uma dessas condições? Temos um e-book especial para você!

 

Baixe agora o e-book “Cirurgia Ortognática: identifique se você precisa desse procedimento”, aprenda mais sobre esse procedimento e descubra se você se encaixa no perfil de paciente que precisa dessa cirurgia!

Descubra qual o tratamento ideal para ATM

Descubra qual o tratamento ideal para ATM

Cada vez mais pessoas têm sofrido com dores no maxilar, no ouvido, no pescoço ou até mesmo dor de cabeça – o que tem aumentado a busca pelo tratamento ideal para ATM em consultórios de todo o Brasil.

A falta de uma solução objetiva, combinada a uma série de desconfortos, como uma dor intensa e imprevisível, é suficiente para tirar a paz de muita gente.

Mas existe luz no fim do túnel – e você vai encontrar todas as informações para chegar lá neste artigo.

 

O que é a ATM

 

A sigla é utilizada para falar da articulação temporomandibular, que liga o seu maxilar inferior à base do seu crânio. É esse mecanismo que permite às pessoas formar palavras, mastigar e abrir a boca para respirar.

Para realizar todos esses movimentos, a articulação tem a capacidade de girar em várias direções diferentes e, essencialmente, criar um movimento de deslizamento articulado ou translatório. Há ainda uma série de tendões complexos, músculos e meniscos que ajudam a mover e proteger a articulação enquanto ela está em movimento.

Como essa é uma das articulações mais usadas no corpo, pode sofrer com inflamações, causando uma sensação dolorosa e afetar muitos aspectos das atividades normais.

Infelizmente esse problema é bastante comum: estudos epidemiológicos recentes apontam que 40 a 75% da população brasileira sofrem do problema.

Cerca de 33% dessas pessoas apresentam ainda sintomas dor de cabeça ou da face como reflexo deste distúrbio. É por isso que a busca pelo tratamento ideal para ATM tem levado cada vez mais pacientes aos consultórios de especialistas.

 

Principais sintomas

 

Os distúrbios na ATM afetam muitas pessoas e de maneira diferente. Muitos pacientes acabam se consultando com diversos especialistas antes de perceber que eles precisam de fato encontrar um tratamento ideal para ATM. Os sintomas incluem:

  • Dor e sensibilidade ao redor da mandíbula, bochechas, ouvidos e pescoço;
  • Dores de cabeça ou enxaquecas;
  • Dor, espasmos musculares ou rigidez na mandíbula – especialmente na área da articulação;
  • Estalos ou sensação da mandíbula estar raspando;
  • Estalando, ralando ou clicando em mandíbula;
  • Incapacidade de abrir a mandíbula completamente;
  • Mastigação dolorosa;
  • Sensação parecida com uma dor de dente;
  • Som ou zumbido nos ouvidos;
  • Dor nos ombros;
  • Tontura ou vertigem;
  • Mudança no encaixe das arcadas dentárias inferior e superior.

Qual é o tratamento ideal para ATM?

 

Muitos sintomas da síndrome da ATM podem responder bem a soluções caseiras ou técnicas de redução de estresse e relaxamento. Os seguintes cuidados podem oferecer algum alívio:

  • Compressas mornas na área da articulação, para relaxar a região;
  • Evitar consumir alimentos duros, que exijam uma mastigação maior;
  • Evitar chicletes;
  • Fazer uma massagem ou auto alongamento suave dos músculos da mandíbula e pescoço (um fisioterapeuta ou profissional especializado pode recomendar as técnicas mais adequadas);
  • Exercícios de relaxamento, respiração e gerenciamento de estresse e redução.

Quando soluções como estas não são eficazes, é preciso consultar um especialista e verificar o tratamento ideal para ATM.

Especialmente quando lembramos que esses tipos de tratamentos não irão curar a ATM, embora possam minimizar o desconforto.

 

Quando a cirurgia é indicada

 

Quando falamos sobre o tratamento ideal para ATM, a cirurgia costuma ser colocada como o último recurso – isso após tentar vários outros tratamentos não invasivos.

Em casos extremos, a cirurgia ortognática pode ser necessária. Como em tudo que envolve saúde e qualidade de vida, é fundamental pesquisar todas as opções e entender a fundo os distúrbios da ATM antes de se comprometer com qualquer tratamento mais agressivo.

 

Luz no fim do túnel

 

Como você pode ver, existem formas de amenizar ou até de controlar todo o desconforto causado pela ATM – e a cirurgia é apenas um dos diversos recursos disponíveis.

Para se certificar sobre o tratamento mais indicado, é preciso encontrar o profissional certo. Só ele pode avaliar seu caso e encontrar as melhores soluções.

 

Para saber mais sobre o tratamento ideal para ATM no seu caso, é importante agendar uma consulta com um especialista. Clique aqui e fale com um especialista da Oral Face Care! 

 

Você tem assimetria facial e quer saber se a cirurgia ortognática pode corrigir esse problema? Baixe agora o e-book “Cirurgia Ortognática: identifique se você precisa desse procedimento“!

Encontre um bom profissional para realizar cirurgia ortognática

Encontre um bom profissional para realizar cirurgia ortognática

Sempre que surge algum incômodo na região bucal, nosso primeiro pensamento sempre se volta para cáries, extrações de dentes ou até aparelhos e expansores. Pouca gente sabe, mas em muitos casos, a solução pode envolver até uma cirurgia ortognática.

 

Veja a seguir no que consiste este procedimento, a quem ele se aplica e, principalmente, como encontrar um bom profissional para realizar cirurgia ortognática em cada caso.

 

O que é a cirurgia ortognática?

 

Também conhecida como cirurgia corretiva dos maxilares, é um procedimento destinado a proporcionar a melhor oclusão (mordida) possível através de técnicas voltadas para a correção de determinadas condições dos maxilares e do rosto.

 

Estas condições podem ser relacionadas à estrutura, crescimento, distúrbios da ATM, apneia do sono, problemas de má oclusão ou outras questões de ortodontia que não podem ser tratadas com o uso de aparelhos específicos.

 

Prováveis candidatos a uma cirurgia ortognática

 

Como os maxilares crescem gradualmente, os maxilares superior e inferior podem se desalinhar. Isso pode afetar a oclusão, impactando a mastigação, a fala, a saúde bucal vitalícia e até a parte estética e comportamental.

 

Estes são alguns dos sintomas comuns em pacientes que recebem a indicação para a cirurgia ortognática:

 

  • Dificuldade para mastigar, morder ou engolir;
  • Problemas de fala;
  • Dor crônica de mandíbula ou ATM;
  • Mordida aberta;
  • Casos de prognatismo (projeção exagerada da mandíbula) ou de retrognatismo (ausência do desenvolvimento mandibular);
  • Problemas de respiração devido à colocação do maxilar.

 

Como encontrar um bom profissional para realizar cirurgia ortognática

 

Uma pesquisa breve, com a ajuda dos profissionais e dos canais certos, pode ajudar a encontrar o profissional certo para o seu caso. Veja como fazer isso nos tópicos a seguir:

 

Converse com o seu dentista

 

Sua primeira parada deve ser no consultório do seu dentista regular – que muitas vezes é o primeiro a sugerir a cirurgia.

 

É muito provável que ele já tenha uma recomendação – um profissional de sua confiança, com quem ele já atue em parceria e que tenha conhecimento da área que engloba seu caso. De toda forma, é válido fazer alguns questionamentos:

 

  • Por que você recomenda este cirurgião?
  • Quais são as suas especialidades?
  • Qual é a especialidade deste cirurgião?
  • Você iria a este cirurgião?

Converse com amigos, familiares e outros profissionais que já cuidem de sua saúde

 

Pessoas que já passaram por uma cirurgia ortognática ou possuem alguém próximo que já tenha realizado o procedimento são fontes valiosas de indicação.

 

Através deles é possível encontrar pontos positivos e negativos do profissional e descobrir se ele é de fato a melhor indicação não só para o seu caso, mas para o tipo de paciente que você é.

 

É por isso que os médicos de outras especialidades que já cuidam de sua saúde são também uma boa fonte de informação. Eles já conhecem seu histórico médico, seus hábitos, seu comportamento perante a outros tratamentos – podendo assim indicar um bom profissional para realizar cirurgia ortognática no seu caso.

 

Faça uma busca na internet

 

Se você não tem um dentista fixo, que pode recomendar um cirurgião oral, e seus amigos e familiares não podem ajudá-lo, é hora de colocar a internet ao seu favor.

 

O primeiro passo é buscar informações em sites de busca, como o Google e o Bing. É comum que os profissionais possuam publicações sobre o tema.

 

Busque também grupos sobre o tema em redes sociais como o Facebook. Você certamente encontrará outras pessoas com casos semelhantes ou parecidos com o seu, o que ajuda a obter indicações mais assertivas.

 

Aproveite a internet também para pesquisar sobre os profissionais que forem indicados: educação, tempo de experiência, afiliações profissionais. especializações e muito mais provavelmente estarão ao seu alcance em poucos cliques.

 

Contar com um bom profissional para realizar cirurgia ortognática é fundamental

 

É importante conhecer pessoalmente cada profissional antes de tomar a decisão final sobre o profissional que será o responsável por sua cirurgia ortognática.

 

Assim você pode fazer todas as perguntas (leve suas principais dúvidas anotadas no papel ou no celular, para garantir que nada será esquecido), ver o planejamento da cirurgia, entender como ele age no pré e pós-operatório, o tipo de suporte que ele fornece durante a sua recuperação – e se tudo isso está de acordo com as suas expectativas.

 

Uma cirurgia bem-sucedida também é o resultado de uma boa relação de confiança entre você e o cirurgião!

 

Está em busca de um bom profissional para realizar cirurgia ortognática? Clique aqui e conheça a Oral Face Care!

 

Quer saber se você precisa de uma Cirurgia Ortognática? Baixe agora o e-book “Cirurgia Ortognática: identifique se você precisa desse procedimento“!

Sorriso gengival pode ser corrigido com cirurgia ortognática

Sorriso gengival pode ser corrigido com cirurgia ortognática

Entre os problemas de simetria que ocorrem por causa do crescimento inadequado dos ossos da face, o sorriso gengival é uma das mais conhecidas. Ela se apresenta como uma exposição exagerada da gengiva quando a pessoa sorri, e costuma acontecer mais em mulheres do que em homens.

 

Podemos considerar um sorriso como gengival quando mais de 4 milímetros da gengiva ficam expostos. Essa condição pode ser resultado de vários problemas, como lábios pequenos, hipertrofia gengival e coroa dos dentes curta, mas o crescimento ósseo é a causa mais comum.

 

O sorriso gengival, apesar de não causar nenhum problema de saúde físico, pode causar desconforto, problemas de autoestima e distúrbios sociais. Quem passa por esse problema pode ficar com vergonha de conversar com outras pessoas ou sorrir em público.

 

No texto de hoje, vamos falar um pouco mais sobre essa condição e explicar como o sorriso gengival pode ser corrigido com cirurgia ortognática.

 

O que causa o sorriso gengival?

 

Ainda que o sorriso gengival possa ser causado por muitos fatores – lábios pequenos, hipertrofia gengival etc. –, o motivo mais comum é o crescimento vertical exagerado do osso maxilar. Com o osso maior do que o normal, a gengiva fica deslocada e aparece quando o indivíduo sorri.

 

Quando esse é o caso, a melhor solução para corrigir o problema é a cirurgia ortognática.

 

O que é a cirurgia ortognática?

 

A cirurgia ortognática é um procedimento que reposiciona os ossos da face para deixar o rosto do paciente mais simétrico. Nesse procedimento, que acontece majoritariamente na parte interna da boca, o cirurgião faz as incisões necessárias e, então, reposiciona a mandíbula, o maxilar e outros músculos e ossos que façam a diferença na expressão do paciente.

 

A cirurgia costuma durar de 2 a 4 horas e é feita em ambiente hospitalar, com anestesia geral. No caso do sorriso gengival, o médico serra o excesso do osso maxilar e o reposiciona de modo que a gengiva não apareça quando o paciente sorri.

 

Além do sorriso gengival, a cirurgia ortognática também ajuda a corrigir outros problemas causados pelo crescimento excessivo ou inadequado de ossos da face, como a assimetria facial, a mordida cruzada e a mordida aberta anterior.

 

Quais são os cuidados necessários nessa cirurgia?

 

Os cuidados pré e pós-cirúrgicos da cirurgia ortognática são muito importantes para garantir um resultado final de qualidade.

 

Entre os cuidados pós-operatórios mais importantes está o uso de medicamentos, na dose e nos horários indicados pelo médico, para evitar inflamações e diminuir o desconforto do paciente. Além disso, comparecer às consultas para garantir que o osso está cicatrizando da maneira correta é essencial.

 

Por algum tempo após a cirurgia, será necessário usar o aparelho ortodôntico para garantir que a dentição continuará adequada. Ainda que possa ser desconfortável no início, o paciente se acostuma depois de algum tempo. O aparelho deve ser usado até a liberação médica.

 

Quanto aos cuidados pré-cirúrgicos, fazer os exames necessários antes da cirurgia é o mais importante. Esses exames garantem que o paciente está em condições de passar pelo procedimento cirúrgico sem que sua saúde seja comprometida.

 

Além disso, há um cuidado que pode fazer toda a diferença no procedimento e nos resultados finais: a escolha do profissional certo. A cirurgia ortognática só pode ser realizada por dentistas especializados em cirurgia buco-maxilo-facial.

 

Os pacientes que tiverem interesse nesse tipo de cirurgia podem entrar no site do Conselho Regional de Odontologia de suas regiões para procurar um profissional que tenha essa especialização.

 

Essa busca é muito importante para garantir o sucesso do procedimento,não hesite em conversar com diversos profissionais, pedir indicações, conversar com pessoas que fizeram a cirurgia e pedir para que os dentistas comprovem suas especializações. Afinal, é sua saúde que está em jogo.

 

Ainda que muitas pessoas tenham receio de fazer uma intervenção cirúrgica em questões majoritariamente estéticas, como o sorriso gengival, podemos garantir que a cirurgia ortognática traz resultados definitivos, que podem melhorar sua autoestima, sua vida social e sua autoimagem. Nesse sentido, o sorriso gengival pode ser corrigido com cirurgia ortognática e melhorar a qualidade de vida do paciente. Investir em sua saúde mental é tão importante quanto investir na saúde física!

 

Quer saber se você precisa de uma cirurgia ortognática? Baixe agora o e-book “Cirurgia Ortognática: identifique se você precisa desse procedimento“! 

Saiba o que fazer quando a mandíbula travar

Saiba o que fazer quando a mandíbula travar

A mandíbula travada infelizmente é um problema que vem se tornando cada vez mais comum – e muitas pessoas têm dúvidas sobre o que fazer quando a mandíbula trava, como evitar o problema e, principalmente, qual é o tratamento certo para evitar problemas mais graves.

 

Para saber mais sobre o tema e saber como agir nessa situação, siga na leitura do artigo a seguir e confira nossas dicas.

 

Como reconhecer uma mandíbula travada

 

A articulação entre os maxilares superior e inferior é uma das mais complexas do corpo, responsável por mover o maxilar inferior para frente, para trás e para os lados.

 

A DTM, ou Distúrbio da Articulação Temporomandibular, ocorre quando esta articulação, a ATM, não está funcionando corretamente: a mandíbula está estalando ou travando – impedindo a abertura parcial ou total da boca.

 

Principais sintomas

 

O diagnóstico preciso só pode ser dado por um profissional da saúde bucal, depois de uma série de exames, como ressonância ou raio x, já que muitos dos sintomas que você verá a seguir também são indícios de outros problemas:

 

  • Dores de cabeça (em alguns casos tão intensas como em uma crise de enxaqueca);
  • Dores de ouvido;
  • Dor e pressão por trás dos olhos;
  • Sons de estalo ou dores quando o paciente movimenta a boca – bocejo, mastigação ou abertura ampla da boca;
  • Mandíbulas travadas ou que se desencaixam;
  • Tensão dos músculos maxilares;
  • Mudança repentina no encaixe dos dentes superiores e inferiores.

Por que a mandíbula trava?

 

Pode ser difícil determinar a causa exata do Distúrbio da ATM em um paciente, já que os sintomas podem ser resultado da combinação de fatores como:

 

  • Genética;
  • Artrite;
  • Lesão no maxilar;
  • Estresse;
  • Maloclusão devido à ausência de alguns dentes.

 

Algumas pessoas que apresentam dor ou travamento na mandíbula também tendem a apresentar bruxismo – embora muitas pessoas que apresentem o problema podem não desenvolver distúrbios da ATM.

 

Doenças orais, febres ou outros problemas que apresentam sintomas na boca também podem causar o travamento da mandíbula. Isso pode ocorrer porque os músculos do maxilar inflamam e se desgastam ou ficam fragilizados por conta do inchaço e da fraqueza do tecido. Com isso, os músculos e ligamentos da região não funcionam de acordo, resultando na manifestação do sintoma.

 

O que fazer quando a mandíbula trava

 

Com relação a o que fazer quando a mandíbula trava, existem algumas técnicas que o paciente pode tentar fazer para contornar o problema antes de procurar um profissional especializado. Veja a seguir:

 

  • Relaxar: respirar fundo e tentar se acalmar ajuda a controlar o ciclo de dor causado pelo travamento dos músculos mastigatórios;
  • Utilizar bolsas de água quente nas laterais da boca: um cuidado comum em torno do que fazer quando a mandíbula trava é usar o calor. Ele pode ajudar a relaxar os músculos da região. O ideal é fazer a aplicação por no máximo 45 minutos, sempre protegido por toalhas para evitar queimaduras;
  • Movimentar cuidadosamente a região: alguns pacientes conseguem destravar o maxilar movendo a mandíbula em movimentos laterais e/ou circulatórios, até que a articulação retorne para a posição certa.

Como tratar e evitar o problema

 

Muitos pacientes obtêm bons resultados adotando uma rotina de cuidados – como o uso de medicação para reduzir a dor, o estresse e a tensão muscular como alternativa.

 

Existem também algumas pessoas que experimentam uma boa dose de alívio no problema com acupuntura, quiropraxia, massagens, estimulação nervosa elétrica transcutânea (TENS), ultrassom ou protetores noturnos.

 

Mas em determinados casos, a solução sobre o que fazer quando a mandíbula trava envolve a indicação de uma cirurgia. É por isso que procurar um especialista é fundamental: só assim é possível encontrar a combinação de técnicas mais indicada para o seu caso.

 

Você tem assimetria facial e quer saber se a cirurgia ortognática pode corrigir esse problema? Baixe agora o e-book “Cirurgia Ortognática: identifique se você precisa desse procedimento“!

A apneia obstrutiva do sono pode ser tratada com a cirurgia ortognática

A apneia obstrutiva do sono pode ser tratada com a cirurgia ortognática

A Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono é uma condição que causa paradas na respiração no paciente, sensação de sufocamento ao despertar e em algumas vezes, o paciente pode também apresentar roncos. Por conta disso, a pessoa fica sonolenta ao longo do dia, o que pode deixá-la irritada e constantemente cansada.

 

Em alguns casos, a cirurgia ortognática pode ser indicada para tratar a apneia e é sobre isso que vamos falar neste artigo. Confira!

 

Diagnóstico da apneia

 

O problema é diagnosticado por meio da polissonografia, exame que registra o fluxo aéreo nasal e oral, o esforço respiratório, a saturação de oxigênio, entre outros.

 

A síndrome pode ser tratada com algumas mudanças de hábitos do paciente, como a perda de peso, alimentação e prática de exercícios físicos. Em casos de apneia leve a moderada, aparelhos bucais podem ser indicados para posicionar a mandíbula e a língua de uma maneira que impeça a obstrução.

 

Para casos mais graves, os aparelhos CPAP ou BIPAP são indicados para melhorar o fluxo de ar nas vias respiratórias. Esses aparelhos possuem uma máscara para ser posicionada no rosto, o que melhora a respiração noturna do paciente e, consequentemente, melhora a qualidade do sono e sua disposição durante o dia.

 

Quando a cirurgia ortognática é indicada

 

Pode ser indicado ao paciente com Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono passar em consulta com um cirurgião Bucomaxilofacial, porque em alguns casos a diminuição de espaço para passagem de ar é causada por uma deformidade dento facial, na qual o paciente apresenta retrognatismo.

 

Nesse caso, a mandíbula está em uma posição posterior em relação à maxila, apresentando um padrão facial Classe II, que esteticamente pode deixar o paciente com a impressão de possuir pouco queixo.

 

A cirurgia ortognática é realizada quando o paciente não se adapta ao uso dos aparelhos (bucais, CPAP ou BI-PAP) ou quando a deformidade dento facial possa comprometer o paciente em outras questões, como problemas na articulação temporomandibular, que pode causar dores de cabeça, dor ao mastigar, dificuldade de deglutição, perdas dentárias e até dores na coluna cervical.

 

Como a cirurgia é realizada

 

Além do cirurgião Bucomaxilofacial, um dentista ortodôntico deve ser envolvido no caso para realizar tratamento com aparelho. O tratamento inicial consiste em posicionar os dentes corretamente, e o tempo desse processo varia de acordo com a complexidade de cada paciente, levando em média um ano.

 

Quando o profissional concluir o tratamento ortodôntico, o cirurgião Bucomaxilofacial começa a realizar o planejamento cirúrgico, alinhando as discussões com o ortodontista e com o paciente. A partir disso, exames de imagem são pedidos para direcionar os profissionais.

 

A cirurgia é realizada com aplicação de anestesia geral, e a correção cirúrgica pode ser realizada na mandíbula, no maxilar superior ou nos dois, dependendo de cada paciente, corrigindo a posição dos ossos e deixando os dentes alinhados. Os cortes são feitos internamente, pela gengiva, sem deixar cicatrizes visíveis.

 

Por ser uma cirurgia que também trará benefícios estéticos, o paciente deve relatar suas insatisfações e inseguranças ao médico, que fará o possível para garantir não só uma melhora das funções respiratória e articular, como uma face mais harmoniosa.

 

O pós-operatório causa dores?

 

Uma dúvida comum aos pacientes que irão se submeter à cirurgia ortognática, é em relação à dor no pós-operatório. Mas o sistema de “Fixação Rígida do Esqueleto” não permite que o paciente sinta dores.

 

É normal hematomas surgirem na área manipulada, e o rosto apresentar inchaço. Mas com os cuidados recomendados pelo seu médico, o edema começará a ceder após uma semana.

 

Alimentação e higiene

 

Principalmente no primeiro mês, a alimentação deverá ser apenas composta por líquidos e pastosos. Após esse período, o paciente pode ingerir alimentos macios, mantendo uma dieta leve. A mastigação de alimentos moles ajudará a alongar a musculatura, o que fará com que o inchaço comece a ceder.

 

Outra dúvida comum dos pacientes é em relação à higienização oral. A escovação pode ser realizada normalmente, optando por escovas com cerdas mais macias e tomando cuidado para não prejudicar a cicatrização. Bochecho com produto a base de Clorexidina também é indicado.

 

Resultados

 

Durante os primeiros 30 dias, o paciente deve evitar esforço físico. Também se deve evitar exposição solar e evitar esportes coletivos por 90 dias. Após esse período, é possível retornar as atividades normalmente.

 

Durante a recuperação dos primeiros meses da cirurgia, o paciente já notará melhoras em sua respiração e na sua qualidade do sono. Quando o inchaço começar a diminuir, também será notável a melhora estética proporcionada pela cirurgia.

 

Quer saber se você se encaixa no perfil do paciente que precisa de cirurgia ortognática? Baixe agora o e-book “Cirurgia Ortognática: identifique se você precisa desse procedimento“!